Careers / Success Stories / A Internet de Todas as Coisas a serviço dos deficientes visuais

A Internet de Todas as Coisas a serviço dos deficientes visuais

As iniciativas de alunos aplicam tecnologia e transformam a experiência urbana.


Lucie d’Alguerre, aluna, Universidade de Lorraine, França

Com a integração de sensores e sistemas de dados à infraestrutura das cidades, uma equipe de alunos inovadores da Cisco Networking Academy percebeu que a bengala dos deficientes visuais poderia se tornar uma bengala inteligente. Com a orientação e o apoio da Cisco, eles desenvolveram um protótipo para transformar a experiência urbana das pessoas que não enxergam.

Quando dispositivos, dados e pessoas se conectam

Os alunos em uma aula de iniciativa na Universidade de Lorraine em Nancy, na França, ficaram interessados quando o professor falou com eles sobre o Le Défi Cisco, um concurso para aplicar a tecnologia a questões sociais e ambientais. Lucie d’Alguerre pensou em seu tio que é cego. Ela imaginou uma cidade totalmente conectada que pudesse transmitir informações para a bengala branca que muitas pessoas cegas e deficientes visuais utilizam. O professor dela a apresentou a 4 outros alunos da Cisco Networking Academy para juntos desenvolverem um projeto para o concurso.

Uma equipe formidável de engenheiros

Trinta equipes competiram na primeira rodada do Le Défi Cisco. Na Equipe Handisco, Florian Esteves e Mathieu Chevalier lideraram o desenvolvimento de tecnologia. Lucie usou suas conexões para estabelecer parceria com a Cidade de Nancy e Valentin Haüy, uma associação para cegos. Jonathan Donnard gerenciou as comunicações com a Cisco, enquanto Nicolas Frizzarin assumiu a responsabilidade pelo planejamento financeiro e comercial.

A ideia dela era integrar as tecnologias da Internet de Todas as Coisas em uma única bengala. De acordo com Lucie: “A Handisco é uma startup cujo objetivo é ajudar pessoas cegas a se movimentarem pelas cidades, com a ajuda de uma bengala, proporcionando maior independência e segurança a elas.”

“Eles são engenheiros. Eles ficaram animados em conectar a cidade com 5000 pontos de acesso”, explicou Rémi Philippe, um arquiteto de soluções da Cisco envolvido com a comunidade de startups em Paris, que orientou a equipe como mentor de tecnologia. “Nós os incentivamos a definir o investimento e os cronogramas e a dar uma olhada nos competidores em potencial. Nenhuma outra empresa está concentrada na bengala branca, portanto, eles poderiam obter a aceitação e resolver um problema de verdade com a infraestrutura atual.”

Uma verdadeira inovação social

A bengala da Handisco usa captores de proximidade com ondas de ultrassom como as do parachoque de um carro que emitem um som ao dar ré. As ondas detectam um espectro de área mais amplo e transmitem as informações ao usuário por meio de vibrações. A tecnologia GPS fornece diretrizes de local, priorizadas para condições de tempo real e um viajante que não enxerga.

“Vi uns 50 ou 60 projetos de start-ups e ninguém fez nada assim”, disse Rémi Philippe. “Esse é o melhor exemplo que já vi da Internet de Todas as Coisas. Esse é um dispositivo limitado que se torna inteligente quando se conecta a todos os outros dados e dispositivos ao redor dele para fazer uma diferença real para o usuário.” Na rodada final do Le Défi Cisco, a equipe da Handisco recebeu o prêmio principal e € 70.000.

Do aluno para a start-up

O que começou como um projeto de aula transformou-se em uma start-up inovadora. Cinco alunos que mal se conheciam agora são parceiros de negócios. Com o prêmio em dinheiro do Le Défi, eles fundaram a Handisco e começaram a falar com os investidores sobre a empresa. A equipe desenvolveu um modelo de distribuição e preços sustentável para se lançar em outros mercados, como o de idosos. Em junho de 2014, o grupo recebeu o Pepite Award, um Prêmio nacional pela inovação do Ministério da Educação da França, e teve a honra de se encontrar com o presidente francês François Hollande.

Remi Sedilot, um gerente de vendas da Cisco que os aconselhou no desenvolvimento do plano de negócios, acredita que eles ganharam o concurso porque resolvem um problema real com uma verdadeira inovação baseada na infraestrutura atual. “Eles foram muito precisos e decididos em relação ao que queriam fazer”, disse ele. “Eles se propõem a ajudar pessoas cegas a conquistarem autonomia e se beneficiarem dos serviços criados para outros propósitos.”

A próxima onda de inovação tecnológica virá da conexão de pessoas, processos, dados e coisas com a Internet, a Internet de Todas as Coisas. Para os alunos de hoje, as oportunidades e o potencial para inovações são ilimitados e desafiadores.